Top

Diminuir Despesas e Otimizar Custos

“Com o gerenciamento da operação ando sem tempo para pensar estrategicamente nos custos e despesas. Vou contatar a MERITHU para me ajudar a buscar e aproveitar oportunidades que ainda não vi.”

Produzir mais com menos deve ser o objetivo de todo empreendedor. Portanto, otimizar os custos é o caminho para ter uma operação competitiva sem abrir mão da qualidade. A análise dos custos e despesas pode se dar de forma matricial ou base zero, verificando a consistência de cada um deles e, a partir daí, encontrando oportunidades de diminuí-los.

Conheça as ferramentas que utilizamos 

Orçamento Base Zero

“Controle seus custos melhor que seus concorrentes. É aí que podes sempre encontrar a vantagem competitiva” – Sam Walton

 

A aplicação da metodologia do Orçamento Base Zero auxilia as empresas a responder 4 questões fundamentais:

 

  • desperdícios de recursos que podem ser eliminados sem comprometer o crescimento da receita de forma a garantir sua sobrevivência?
  • A estrutura atual é adequada para apoiar a estratégia de crescimento de maneira eficiente face aos desafios atuais?
  • lacunas de produtividade, mesmo considerando o crescimento da empresa?
  • Onde devemos alocar os recursos para maximizar o retorno?

 

A resposta para cada um dos pontos será construída com a implementação de uma cultura proativa de questionamento constante que visa otimizar as despesas, eliminar desperdícios dos processos e elevar a eficiência global da empresa.

 

Ajudamos a empresa a entender o custo e o retorno de cada um dos seus entregáveis em todas as áreas e a garantir seja realizado somente aquilo que agrega valor à organização.

 

A jornada de implementação passa por uma revisão do processo orçamentário, questionamento de paradigmas e mapeamento das lacunas baseado nas melhores práticas internas e de mercado. O OBZ busca construir a cultura de melhoria contínua com o uso de indicadores de desempenho para todas as contas e áreas da companhia.

Gerenciamento Matricial de Despesas

“Custo é como unha, tem de cortar sempre” – Carlos Alberto Sicupira

 

O Gerenciamento Matricial de Despesas (GMD) é uma metodologia gerencial utilizada para a análise e otimização das despesas operacionais, também chamadas de SG&A.

 

Em um modelo tradicional de gestão orçamentária, cabe ao gestor da área gerenciar as despesas sob sua responsabilidade. O GMD propõe a gestão orçamentária da seguinte forma:

Controle cruzado das despesas, onde dois gestores gerenciam uma mesma conta contábil, sob perspectivas distintas: o gestor de pacote, que gerencia uma conta contábil de forma transversal à organização (ao longo de toda a sua estrutura), e o próprio gestor da área, promovendo assim um ganho de escala;

 

As despesas são parametrizadas pelo seu “fato gerador” de gasto, estabelecendo os indicadores de performance de modo a identificar oportunidades de melhoria e melhores práticas, auxiliando no processo de negociação das metas da empresa;

 

Para cada meta negociada, são elaborados planos de ação. Além disso, são estruturados os rituais de governança para controle e captura dos resultados.

 

O objetivo final do GMD é auxiliar a empresa a melhorar do seu resultado operacional, promovendo competitividade e crescimento sustentável.

Reestruturação Organizacional e de Processos

O ROP é uma solução voltada para a melhoria de resultados por meio da implementação de uma gestão interfuncional de processos. As operações e resultados da empresa são melhoradas através de quatro alavancas: Tecnologia, Estrutura, pessoas e Padrões.

 

Isto acontece por meio de 3 etapas:

 

1 – Avaliação da Cadeia de Valor

Levantamento dos macroprocessos da empresa e priorização daqueles que geram mais valor para os “stakeholders”

 

2 – Mapeamento da Situação Atual

Os macroprocessos priorizados são analisados mais profundamente para identificar oportunidades de melhoria

 

3 – Definição da Situação Futura

As oportunidades de melhoria mais relevantes são elencadas, criando um modelo futuro  dos processos e da estrutura da organização

 

4 – Planejamento e Implementação

Planos de ação são elaborados para suportar a transição da situação atual para a futura, através do acompanhamento de indicadores estratégicos dos processos e cumprimento dos padrões

Gerenciamento da Rotina

O Gerenciamento da rotina do dia-a-dia tem como principal objetivo melhorar resultados e estabilizar processos.

Além disso, são definidos indicadores de desempenho, estabelecidas metas de melhoria e manutenção, além da revisão da sistemática de controle.

 

Isto acontece por meio de 4 etapas:

 

1 – Estabelecimento de metas;

Análise do desempenho dos indicadores estabelecidos e propostas metas de melhoria e manutenção.

 

2 – Revisão de Padrões;

Definição das melhores práticas utilizadas na execução das tarefas a fim de otimizar sua operação e tornar os processos previsíveis.

 

3 – Elaboração de Ações e Acompanhamento;

Para cada oportunidade identificada, são elaborados Planos de Ação para atingimento das metas. Além disso, são estruturados rituais de acompanhamento para garantia dos resultados.

 

Isso tudo para que seus processos sejam os melhores do setor, garantindo competitividade e crescimento de mercado a sua empresa.